Um roteiro alternativo em Veneza

Com seus 177 canais que banham palácios deslumbrantes, 400 pontes que levam a percursos mágicos e 118 ilhas fascinantes, Veneza, assim como toda Grande Dama, ainda guarda seus segredos.

E não espere descobrir todos em uma tacada só. Se levaram séculos para construir essa joia flutuante italiana, serão necessárias muitas travessias para desvendar seus mistérios.

Havia um bom tempo que eu não ia a Veneza. Dessa vez, foram duas noites e, como sempre, muitos achados, todos fora do roteiro turístico usual. Vamos a eles, separados por regiões.

 

GIUDECCA

Na Ilha Giudecca, a estrela é o Hotel Belmond Cipriani. Fundado em 1858 pelo criador do drinque bellini, Giuseppe Cipriani, ele integra a cia Belmond (ex-Orient Express), também proprietária do Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.

O hotel, acessível apenas por barco, é endereço da maior piscina de Veneza, onde a água é tratada e salgada. Nos arredores, belíssimos jardins e muita área a céu aberto para circular.

O Cipriani pode ser visitado para drinques, almoço e jantar. Lanchas do próprio hotel saem de um pier privado, a cada 5 minutos, em frente à Piazza de San Marco.

As opções de restaurantes são: Oro, de alta gastronomia, ou Cip’s Club, opção mais informal e com uma linda vista de Veneza.

E se você for tratado de nariz meio em pé, faça o mesmo, pois isso faz parte das boas-vindas em qualquer cinco estrelas veneziano.

Ainda na mesma ilha, tente dar uma caminhada do Cipriani até o Hilton. O percurso pelo calçadão à beira do canal conta com uma supervista e é bem menos agitado que outras áreas da cidade.

O Cipriani, em Veneza
A piscina do Hotel Cipriani, aqui e no topo deste post: a maior de Veneza
Uma das suítes do Cipriani
O Cip’s Club, com vista para a Piazza de San Marco
O ancoradouro do Hotel Cirpiani, na Piazza de San Marco: barcos saem 24 horas por dia

 

MURANO

Famosa por seus cristais, Murano é um arquipélago que concentra inúmeros fabricantes desse tipo de arte.

A visita a qualquer fábrica é bem parecida: fornalhas para ver como os vidros são feitos, papo para lá, papo para cá, entra-se em uma parte da loja, depois na outra e quando você menos espera já está levando alguma coisa para casa.

Em Murano, conheci Leone Panisson, proprietário da Vetreria Bisanzio Gallery, que tem peças bastante variadas e serve grandes hotéis pelo mundo, como Four Seasons Seychelles, Four Seasons São Francisco, Cipriani e Copacabana Palace.

Lá, trabalham 15 mestres em 25 fornos diferentes. O importante mesmo é conhecer de perto Stefano Serto, diretor da companhia e também o cara do desconto, afinal, todo mundo gosta. Fica a dica.

A Vetreria Bisanzio Gallery, fábrica de cristais em Murano
Stefano Serto moldando cristais na Bisanzio Gallery, Burano
Conjunto de cristais de Murano na Bisanzio Gallery
Vasos ornamentais na Bisanzio Gallery

 

BURANO

A maior surpresa da viagem fica a 7 quilômetros de Veneza: um arquipélago bem diferente dos demais, cheio de casinhas coloridas, mas com um quê de cidade do interior, além de gente muito simpática.

Burano é famosa por suas rendas, que vestem famílias reais de toda a Europa e também simples mortais, é claro.

No topo da minha lista, entre todas as opções de Burano, fica a Emilia Burano, uma loja que é tocada pela terceira geração de uma família muito talentosa.

As mais delicadas rendas produzidas pela Emilia já foram parar nas mãos da realeza inglesa, do Vaticano e vestem noivas que não economizam para ter um modelo de lá.

Roupas de cama com algodão vindo do Egito saíram dali para o enxoval do casal George e Amal Clooney, por exemplo. A atriz Uma Thurman também está na lista dos clientes famosos.

A Emilia Burano
O designer Lorenzo Ammendola com sua mãe e sua avó: a terceira geração da Emilia Burano
Roupas de cama de algodão egípcio e rendas
Vestido de noiva da loja Emilia, em Burano

 

Logo que sair da loja Emilia, se estiver com apetite para um doce caseiro, siga à esquerda e dê uma paradinha para apreciar uma charmosa loja de suspiros. O proprietário Giorgio Garbo estará lá com um simpático sorriso no rosto, pode apostar.

Giorgio Garbo prepara os melhores suspiros de Burano

 

Mais à frente, pare para almoçar no Riva Rosa. Tão espetacular quanto a comida é o deck para apenas duas pessoas que fica no telhado da casa. A lista de celebridades que já escolheram o lugar é longa, começando por Angelina Jolie que frequentava o restaurante com Brad Pitt, enquanto filmava o longa O Turista, em Veneza.

O Riva Rosa, em Burano
Varanda para dois, onde Angelina Jolie costumava almoçar com Brad Pitt
Outro cantinho charmoso do Riva Rosa
O espaguete ao vôngole do restaurante

 

Alguns dos vários charmosos canais de Burano

 

SANTA CROCE E SAN POLO

As duas regiões ficam no coração de Veneza, e, em meio a todo o buchicho que é característico das áreas turísticas da cidade, existem dois endereços que valem a pena ser conferidos de perto.

Um deles é o Aman Venice, na beira do Grand Canal, um hotel-palacete de 20 suítes e salões de tirar o fôlego.

O mirror lounge do Aman Venice
O restaurante do hotel, com vista para o Grand Canal

 

Agora, quer comer bem? Então, reserve uma horário na Osteria Da Fiore. Com uma estrela Michelin no currículo e uma charmosa mesa debruçada para o canal, o restaurante é o lugar certo para um ótimo jantar na cidade. Funciona de terça a sábado e abre também para o almoço.

Restaurante Osteria Da Fiore, em Veneza: a melhor mesa fica nessa pequena varanda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *